Realidade virtual e aumentada: o crescimento das tecnologias imersivas

A paixão da VR Monkey pelas tecnologias imersivas tem apenas cinco anos, porém mesmo com uma trajetória ainda recente, a empresa já é considerada referência em produção de conteúdo para esse segmento (realidade virtual, mista e 360) e tem emplacado projetos relevantes no mercado.

Dinos do Brasil, uma sala com um tour virtual de 40 minutos pelo período pré-histórico com sete sessões diárias para 25 pessoas fica no Museu Catavento (SP) e é considerado o projeto “xodó” da startup. Realizado com apoio da Fapesp e patrocínio da Intel e da Ambev, a experiência multissensorial guia o público por uma viagem no tempo. O projeto começou em 2014 e foi lançado em 2017, sendo o primeiro em realidade virtual a ser aceito pela Lei Rouanet. Mais de 120 mil pessoas já experimentaram a atração.

Uma das mais recentes experiências da empresa inclui uma parceria com o Tecbuzz para o Adventure Next Latam em que foi possível propor ao “experimentador” (como é chamado o espectador que participa das realidades imersivas) conhecer as belezas de Bonito, mas especificamente um mergulho no Abismo Anhumas.

Com uma equipe formada por 15 pessoas, entre programadores e artistas, a empresa fica dentro da USP (SP), no Cietec e foi fundada pelos engenheiros Keila Matsumura e Pedro Kayatt.

Prodview conversou com Pedro em uma entrevista especial em que o profissional comentou como está o mercado, os desafios que a empresa enfrentou e como enxerga a evolução do formato e da produção de conteúdo para os próximos anos.

Para saber sobre tudo o que Pedro Kayatt contou a Prodview, clique aqui.

0 Comentários

Envie uma Resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

VAV AudioVisual - Todos os direitos reservados.

ou

Fazer login com suas credenciais

ou    

Esqueceu sua senha?

ou

Create Account